Just another free Blogger theme

Tecnologia do Blogger.

Feed

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner


Videos

Loading...

Seguidores

Blog Archive

Postagens populares

12 março 2013



Raquel Dias Aires*; Thiago Araújo Lopes, Rodrigo de Moraes Barros, Cassiana M. R.
Coneglian; Geraldo Dragoni Sobrinho; Sandro Tonso e Ronaldo Pelegrini.
*Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás (CEFET-GO)
Curso de Tecnologia em Química Agro-Industrial
Rua 75 no. 46 - CEP: 74055-110, Goiânia-GO
Centro Superior de Educação Tecnológica (CESET) – UNICAMP
Rua Paschoal Marmo, 1888 - CEP:13484-370 - Limeira - SP
Curso de Tecnologia em Saneamento Ambiental
Laboratório de Pesquisas Ambientais – LAPA
lapa@ceset.unicamp.br




RESUMO
A pirólise é um processo que tem como principal aplicação o tratamento e a destinação final do lixo, sendo energeticamente auto-sustentável não necessitando de energia externa, o que desperta uma grande atenção e a faz tão fascinante do ponto de vista científico e prático. O processo de pirólise pode ser genericamente definido como o de decomposição química na ausência de oxigênio, seu balanço energético é positivo, ou seja, produz mais energia do que consome. O processo consiste na trituração de resíduos provenientes do lixo doméstico, do processamento de plásticos e industriais, que deverão ser previamente selecionados, sendo então destinados ao reator pirolítico onde através de uma reação endotérmica ocorrerão as separações dos subprodutos em cada
etapa do processo.
Palavras chave: Pirólise, degradação, decomposição


A produção exponencial de lixo no meio urbano vem preocupando cientistas e estudiosos em todo o mundo, já que os métodos convencionais de tratamento e
disposição final, com o passar do tempo, tornam-se mais irreversíveis. Esta preocupação tem, de certa forma, estimulando o surgimento de novos
métodos alternativos que visam, em primeiro lugar, acompanhar a evolução do processo de urbanização, adequando soluções mais precisas às necessidades da
sociedade em curso [3].
A partir de 1973, com a crise de energia, a pirólise passou a ser exaustivamente estudada, pois como processo, é um dos menos irreversíveis. Ela permite a recuperação de energia através da decomposição térmica dos detritos em atmosfera controlada. Entretanto, apesar dos esforços empreendidos, muitos são os
problemas que dificultam o desenvolvimento deste processo em escala comercial.
Considerando as dificuldades podemos classificar a pirólise como um processo em desenvolvimento e sua aplicação como sistema de tratamento e destinação final de lixo merece estudos rigorosos, por oferecer elevado grau de incerteza. Todavia, com o avanço da tecnologia da combustão, este método pode tornar-se um instrumento de grande utilidade na luta contra a poluição[4].

O processo da pirólise surgiu conceitualmente no século passado, por volta de 1897, quando Max Plank demonstrou que há uma conexão fechada entre a Segunda lei da Termodinâmica e o conceito de Irreversibilidade [1].
No início do século XX, mais precisamente em 1909, um eminente cientista, C. Caratheodory, revisando os estudos de Max Planck, reestruturou a termodinâmica estabelecendo um importante conceito, a Parede Adiabática, que trata da transferência de calor através de substâncias isolantes. A compreensão desta teoria permitiu a construção de sistemas térmicos mais eficientes como os reatores, as caldeiras etc., incluindo-se a pirólise neste processo, pois seu elemento
principal é um reator [1].
Entretanto, as primeiras experiências práticas com reatores pirolíticos foram desenvolvidas por F.Winkler no ano de 1926, na Alemanha.
Próximo ao final da Segunda Guerra Mundial, os alemães, utilizando os estudos de Winkler obtiveram do lixo gases combustíveis como o metano e o isobutano.
Com eles moveram suas frotas [1].
Nos Estados Unidos as pesquisas com reatores pirolíticos começaram em 1929, por iniciativa do US Bureau of Mines, que desenvolveu um protótipo para carbonização de carvão. Aproveitando a experiência, introduziram no reator resíduos de pneus, sendo este o primeiro tipo de lixo a ser pirolisado. Gás com alto poder calorífico, óleo e resíduos sólidos foram obtidos neste experimento. Com resultados iniciais proveitosos, novos produtos foram introduzidos no reator como plásticos e resíduos de curtumes [1].
Em 1967, E. R. Kaises & S. B. Friedman publicaram uma série de resultados de suas pesquisas com reatores pirolíticos, onde utilizaram exclusivamente lixo urbano. Estes estudos foram incentivados pela New York University e muito contribuíram para o estado da arte deste processo, pois Kaises & Friedman mostraram que a pirólise de lixo pode ser um processo energeticamente auto-sustentável, não necessitando de energia externa. Isso porque as partes combustíveis presentes no lixo são suficientes para movimentar o próprio sistema e ainda produzir um significativo excedente de energia. Kaises & Fridman verificaram que os produtos da pirólise se constituíam basicamente de carbono puro (char), podendo ser comparável ao carvão semi-antracito de origem
mineral de baixo poder calorífico (2.500 a 3.500 Kcal/Kg) [1].
Outra pesquisa de pirólise de lixo foi desenvolvida por W. S. Sanner em 1970.
Nestes estudos foram testados três tipos de lixo:
a) lixo doméstico selecionado e moído;
b) lixo de processamento de plásticos e 
c) lixo industrial selecionado e finamente moído. Os resultados iniciais desta pesquisa demonstraram que uma tonelada de lixo pode ser convertida em diversos subprodutos, conforme mostra o diagrama seguinte:
Uma tonelada de lixo produz:
·  10,88 Kg sulfato de amônia
·  131 Kg char
·  12,3 L alcatrão
·  9,46 L óleo combustível
·  435 L álcoois
·  331 Nm3 gases combustíveis Sanner mostrou também que o lixo doméstico dos Estados Unidos da América apresenta bom poder calorífico, com média variando em torno de 3,27 milhões de Kcal/ t de lixo in natura e que a energia a partir do gás gerado é suficiente para tornar o processo autosustentável do ponto de vista energético [1].
As pesquisas de W. S. Sanner e E. R.Kaises permitiram o desenvolvimento de diversos protótipos, dentre eles, destacamos :
Sistema Garrett, Monsanto-Landgard, Torrax, Purox etc.

Nos dias atuais muitos estudos continuam a ser desenvolvidos, entretanto, com menor intensidade. Isto vem afetando o desenvolvimento tecnológico do
processo, pois não permite seu emprego prático em larga escala [2].
Definição
Através da pirólise a matéria orgânica pode ser convertida em diversos subprodutos. Segundo M. da S. Pinto, o material pirolisado pode ser dividido em
três grupos:
·  Gases, compostos por hidrogênio,metano e monóxido de carbono;
·  Combustível líquido, composto por hidrocarbonetos, álcoois e ácidos orgânicos de elevada densidade e baixo teor de enxofre;
·  Um resíduo sólido, constituído, por carbono quase puro (char) eainda, por vidros, metais e outros materiais inertes (escória).
Os processos pirolíticos são endotérmicos, ao contrário do processo de gaseificação ou de incineração; é pois necessário fornecer externamente calor ao
sistema para que a reação de pirólise aconteça [1].
Quando um gás é aquecido a temperaturas elevadas há mudanças significativas nas suas propriedades. A cerca de 2 000 ºC, as moléculas do gás começam a dissociarem-se em estado atômico. A 3 000 ºC, os átomos são ionizados pela perda de parte dos elétrons.
Este gás ionizado é chamado de plasma [2].
O plasma é uma forma especial de material gasoso que conduz eletricidade. É conhecido como o "quarto estado da matéria" (sólido, líquido, gasoso e plasma).
No estado de plasma o gás atinge temperaturas extremamente elevadas que podem variar de 5 000 a 50 000 ºC de acordo com as condições de geração O plasma é gerado pela formação de um arco elétrico, através da passagem de corrente entre o cátodo e ânodo, e a injeção de um gás que é ionizado, e pode ser projetado sobre os resíduos [2].
O gás sob o estado de plasma apresenta boa condutividade elétrica e alta viscosidade quando comparado a um gás no estado normal.
Tanto a corrente contínua como a corrente alternada podem ser empregadas para a geração de plasma, mas o processo com corrente contínua predomina amplamente até o momento [2].
O plasma é gerado e controlado em tochas de plasma, de forma idêntica a um queimador empregue em fornos.
A tocha de plasma é um dispositivo que transforma energia elétrica em calor transportado por um gás. Com estes dispositivos, virtualmente, qualquer gás pode
ser levado ao estado de plasma e o gás utilizado pode ter participação significativa na reação [1].
Os processos Existem basicamente dois tipos de tratamento de resíduos por plasma: fazendo incidir a tocha de plasma diretamente sobre os resíduos ou provocando o seu aquecimento prévio numa câmara de gaseificação [2].
1- Aquecimento direto: por meio da tocha de plasma produz-se eletricamente um campo de energia radiante de altíssima intensidade que aplicado sobre os resíduos produz a dissociação das ligações moleculares existentes nos compostos sólidos, líquidos ou gases.
2- Processamento em duas câmaras: a empresa ScanArc - Plasma Technologies utiliza um sistema - Pyroarc - que consiste em duas etapas distintas de tratamento. Os resíduos sólidos são inseridos numa primeira câmara para gaseificar a parte orgânica num gás parcialmente oxidado e fundir a parte
inorgânica. Este gás e líquidos gerados, são depois decompostos numa segunda câmara, recorrendo a um reator de plasma, sejam eles perigosos ou não, orgânicos ou inorgânicos.

Assim, os resíduos quando sujeitos à ação do plasma deixam de ter a sua composição química original para se dissociarem em compostos mais simples [2].
Na concepção deste processo nenhum efluente gasoso resultante da pirólise pode deixar o sistema sem ser exposto a elevadas temperaturas [2].
Produtos da conversão via plasma Após a dissociação ocorrida, os materiais são recuperados em três formas distintas: Gás sintetizado de plasma, que é
conduzido para um sistema de combustão, para aproveitamento do poder calorífico dos gases; Materiais inorgânicos, silicatos vítreos, que sobrenadarão à fase metálica líquida. Estes materiais, no caso da tecnologia de aquecimento direto, foram sujeitos a temperaturas muito mais elevadas do que na tecnologia em que se utiliza a gaseificação prévia. Os silicatos também conterão pequenas quantidades de metais encapsulados, e metais líquidos, caso existam metais em quantidades suficientes.
Após a solidificação, os silicatos apresentam-se sob a forma vítrea de cor negra e de altíssima dureza, muito similar a um mineral de origem vulcânica.
Da mesma forma que no mineral, os elementos encapsulados, mesmo os perigosos (Pb, Cd...) são totalmente insolubilizáveis e não lixiviáveis, porque
estão aprisionados dentro da matriz cristalina do material, tal como acontece no caso do clinquer (co-incineração em fornos de cimento) [3].
Emissões Os gases gerados durante o processo de decomposição por plasma pirólise são depois enviados para uma estação de tratamento convencional, semelhante às incineradoras dedicadas [3].
Composições típicas das emissões gasosas do processo são: metano, monóxido e dióxido de carbono, hidrogênio, nitrogênio e água.
A maioria dos estudos refere apenas a composição dos gases à saída do processo de plasma, e do ponto de vista ambiental o processo tem de ser avaliado no seu conjunto, isto é, tratamento dos resíduos, produção de gás e sua combustão para aproveitamento energético [2].
Muitas das referências ao emprego destas tecnologias, não referem à composição dos gases após o ciclo de recuperação energética. Assim, por exemplo, as emissões de compostos organoclorados, como é o caso das dioxinas e furanos, não são descritas pelos fabricantes. Na verdade, estes compostos, como já foi averiguado para outras tecnologias, formam-se na fase final no arrefecimento dos efluentes gasosos, após a sua combustão.
As principais vantagens e desvantagens do uso de plasma na decomposição térmica de substâncias são:
Vantagens:
- Elevadas temperaturas causam rápida e completa pirólise da substância orgânica, permitindo fundir e vitrificar certos resíduos
inorgânicos;
Os produtos vitrificados são similares a um mineral de alta dureza;
Reduções de volume extremamente elevadas, podendo ser superiores 99% [3].
Desvantagens:
É uma técnica dedicada, exigindo um avultado investimento, até porque só pode ser rentabilizada quando acoplada a uma central termoeléctrica. O elevado investimento pressupõe a continuada disponibilidade de resíduos a tratar o que pode ser comprometedor para uma estratégia de redução, a médio ou
longo prazo, dos mesmos [3];
O volume de gases inicialmente gerado é mais baixo do que na combustão convencional, mas depois da combustão dos gases produzidos, é idêntico ao de outras
formas de incineração [3];

O sistema não dispensa um sofisticado sistema de lavagem de gases, tal como a incineradora dedicada,nomeadamente para a retenção dos metais voláteis e dos gases ácidos [3];
Para o tratamento de resíduos diversificados, em particular contendo matéria orgânica em quantidades significativas, as técnicas de pirólise não parecem ter alcançado grande desenvolvimento industrial. Os resíduos acabam por ser incinerados de forma indireta, isto é, são decompostos e depois eliminados por combustão [3];
No que diz respeito à produção de dioxinas/furanos, os sistemas são dependentes das tecnologias de recuperação térmica utilizadas a jusante, não sendo claro
que se possa garantir inequivocamente uma vantagem nítida sobre as tecnologias de incineração mais avançadas nem com as técnicas mais simples de gaseificação.
Classificação
Podemos classificar a pirólise segundo as características dos processos atualmente existentes como: sistemas de altas temperaturas e sistemas convencionais
[3].
Entre sistemas de alta temperatura destacam-se: Torrax e URDC (Urban Research and Development Corporation). Os sistemas convencionais podem ainda ser divididos em duas categorias: os destinados a produzir combustíveis gasosos e os de produção de combustíveis líquidos.
Dentre eles destacam-se: Landgard-Monsanto, Austin, Garret, Lurgi e Koppers-Totzek [4].
Existem ainda outros sistemas destinados a fins específicos, como para a produção de determinados elementos químicos na forma líquida sólida ou gasosa
[4].
Metodologia
Diferindo do processo de combustão realizado em condições exotérmicas, a pirólise é um processo de reação endotérmica, esta condição de contorno se faz necessária, pois somente desta forma, reduzindo as perdas de calor, é possível obter o fracionamento das substâncias sólidas presentes no lixo.
O fracionamento das substâncias sólidas ocorre gradualmente à medida que estas passam pelas diversas zonas de calor que constituem o reator pirolítico. Como se pode observar, os resíduos perdem inicialmente a umidade pela secagem e, à medida que entram na zona pirolítica, vão sendo decompostos em substâncias distintas : gases, líquidos e sólidos (char e escórias) [3].
Na zona pirolítica o calor atinge gradientes elevados dependendo do sistema empregado. Em geral, a temperatura no reator varia de 300 a 1600 ºC. A variação da temperatura e o monitoramento do ar necessário à combustão são de fundamental importância no processo, pois permite que determinadas substâncias sejam extraídas do lixo. Desse modo, a pirólise como um processo de tratamento de resíduos, torna-se menos irreversível se comparada com os demais, como a incineração e o aterro sanitário [3].
O balanço energético do sistema de pirólise é sempre positivo, pois produz mais energia do que consome, este, sem dúvida, é um fator importante para que este processo continue a ser pesquisado [4].
Como se observa na figura, o reator é carregado pela parte superior onde, por gravidade, os resíduos penetram na zona desecagem e perdem água, aumentando seu poder de queima. A secagem é realizada pela passagem dos gases oriundos da zona pirolítica.
Após a secagem os resíduos entram na zona de pirólise propriamente dita, onde são submetidos a três processos : volatilização, oxidação e fusão. Com o aumento da temperatura os gases da combustão são liberados e a seguir coletados, podendo ser utilizados  industrialmente. Alguns sistemas utilizam o calor dos gases para produzir vapor através de trocadores de calor e caldeiras.

Outros processos aproveitam os gases diretamente, fazendo movimentar turbinas e máquinas térmicas que produzem potência [4].
Na zona pirolítica são controladas a temperatura e o oxigênio. O resultado deste controle possibilita a extração de gases combustíveis, substâncias alcoólicas, óleos combustíveis, alcatrão, sulfatos de
amônio e carbono quase puro (char) [4].
Na fase final do processo, os materiais sólidos fundidos juntamente com a escória (vidro, terra, pedras, metais etc.) são resfriados e removidos pela parte inferior do sistema. É possível, ainda submeter o rejeito da pirólise a um processo de segregação, obtendo-se, principalmente vidros e metais [4].
Embora do ponto de vista energético e ecológico os sistemas de pirólise apresentem acentuadas vantagens sobre os demais sistemas de tratamento de resíduos, alguns inconvenientes têm limitado o emprego da pirólise em larga escala [2].
G. M. Mallan & C. S. Finney citam três parâmetros críticos que possibilitaram a limitação deste processo :
teor de sólidos voláteis presentes no lixo, poder calorífero superior e umidade. A variação estatística destes fatores dificulta o controle do processo, reduzindo sobremaneira sua eficiência [2].
L. M. Q. Lima verificou que o poder calorífico inferior (PCI) do lixo doméstico, quando submetido ao reator pirolítico, pode ser equacionado matematicamente se os parâmetros críticos de Mallan & Finney são levados em consideração. Assim, através de experimentação Lima obteve a expressão:
PCIlixo = &(SV. U. PCS) Onde :
PCI = poder calorífico inferior do lixo (Kcal/Kg)
SV = Teor de sólidos voláteis (%)
U = Teor de umidade (%)
PCS = Poder calorífico superior
(Kcal/Kg)
& = fator de proporcionalidade
Como a umidade (U) varia pontualmente, pois depende de mecanismos dinâmicos (condições climáticas), o valor do PCI é freqüentemente alterado, gerando instabilidades no sistemas e dificultando sua operação e controle. Entretanto, este problema pode ser resolvido com o aumento de tempo de retenção dos resíduos na zona de secagem.
E. R. Kaiser & S. B. Friedman, estudando os efeitos da taxa de transferência de calor de um sistema pirolítico, identificaram uma série de mudanças na composição dos gases da pirólise [2].
Posteriormente, os efeitos da temperatura no processo de pirólise também foram estudados, sendo os resíduos submetidos a diversos níveis de temperatura. J. M. McFaland estudando os efeitos da temperatura no processo de pirólise enumeraram uma série de importantes observações.
O teor de carbono residual diminui com o aumento da temperatura devido à conversão do carbono em gases combustíveis, segundo as equações:
C + H2O(g) ® CO + H2
C + CO2 ® 2CO
O total de água presente diminui com o aumento da temperatura devido à reação com metano.
CH4 + H2O (g) ® CO + 3H2
CO + H2O(g) ® CO2 + H2
Os condensados orgânicos diminuem com a temperatura devido às reações de craking, que resulta na formação de produtos orgânicos de baixo peso molecular. Em altas temperaturas estes produtos são convertidos em H2, CO e CH4.
A produção de gás aumenta com a temperatura. O pico de produção de etano, etileno e metano ocorrem a 650ºC, 800ºC e 900ºC respectivamente [2].
A produção de dióxido de carbono aumenta a 900ºC. Entretanto acima de 800 ocorre a conversão de CO2 para CO devido à alta concentração de hidrogênio, baixa concentração de água e pelo coeficiente de temperatura negativo da reação.
CO + H2O ® CO2 + H2
Considerando que os parâmetros críticos aqui apresentados podem ser contornados com o avanço da ciência e da tecnologia da combustão, podemos afirmar que em futuro próximo estes sistemas de pirólise poderão vir a ser uma grande arma na luta contra a poluição e o desperdício dos produtos naturais [1].
Sistemas de Pirólise
Os sistemas pirolíticos que mais se destacaram foram projetados e construídos nos Estados Unidos. Alguns deles passaram a operar em escala industrial, apesar do descrédito de alguns pesquisadores e
empresários, originado pelo fracasso de alguns sistemas [1].
Nesta década de 80 surgiram novos projetos reativando a pesquisa neste campo. Dentre esses novos projetos, um sistema muito interessante foi instalado em Baltimore, denominado Landgard, com capacidade para tratar 1000 t/dia. Também é desta década o sistema Garrett, instaladoem San Diego, com capacidade para tratar 250 t/dia de resíduo o sistema Torrax, de100 t/dia, instalado em Orange Country (Walt Disney World) e destinado a produzirágua quente para calefação e refrigeração do parque de diversões [1].
Mais recentemente, em dezembro de 1983, J. Klaers publicou suas experiências, resultado de um novo sistema que combina a pirólise com um combustor de leito fluidizado, destinado a incinerar RDF (combustível sólido do lixo) e lodo de esgoto. Este sistema visa reciclar o próprio combustível sólido alternativo, metais, vidros, e ainda comercializar o vapor para uso doméstico e industrial. A combinação de leito fluidizado com sistema pirolítico vem se tornando uma alternativa interessante. Por essa razão, muitas pesquisas foram desenvolvidas nos últimos anos.
A implantação destes novos projetos vem demonstrar a confiança dos pesquisadores no sistema de pirólise, contrariamente às afirmações de alguns que, já na década de 70, anunciavam o iminente fim dos sistemas de pirólise como tratamento de resíduos [2].
Sistema U. S. Bureau of Mines O U. S. Bureau of Mines iniciou a pesquisa com reatores pirolíticos em 1929, utilizando carvão, borracha (pneu), couro e plásticos, visando à recuperação de combustíveis sólidos, líquidos e gasosos.
Alguns anos mais tarde outros tipos de resíduos foram testados com sucesso dentre eles, o lixo
doméstico [1].
Este sistema consiste de um reator elétrico provido de resistências de níquel-cromo e um dispositivo de alimentação.
Completada a carga do reator, este é devidamente selado, iniciando o processo. Os gases da pirólise são arrastados pela pressão negativa para o interior do sistema, passando através de condensadores tubulares onde o alcatrão e os óleos combustíveis são coletados.
Os gases remanescentes passam através de precipitadores, para remoção de particulados e
óleos pesados. Finalmente são lavados em banho ácido e caustico, em dois lavadores  especiais, onde gases como o CO2, H2S e NH3 acabam, sendo removidos. Os gases limpos e resfriados são lançados na atmosfera [1].

O U. S. Bureau of Mines estimou o custo do sistema por tonelada de lixo processada. Dados demonstraram que sistemas com capacidade nominal a partir de 1.500 t/dia poderiam competir
economicamente com a incineração que atualmente tem custo variando em torno de US$ 4 a 6 por tonelada incinerada. A vantagem da pirólise sobre a incineração está na possibilidade de se obter energia facilmente transportável e de fácil armazenamento, como os combustíveis líquidos e sólidos. Além disso, a fração residual do processo de pirólise é muito menor do que a oriunda da incineração. A redução do volume inicial do lixo também é bastante superior na pirólise. Praticamente,  sobra muito pouco resíduo que não pode ser aproveitado industrialmente. No que se
refere à poluição do ar com descarga de gases, os sistemas pirolíticos devido à elevada temperatura e ao sentido do fluxo da reação, apresentam menores riscos. Estes são dados interessantes e têm estimulado a pesquisa neste campo. Provavelmente, com a adição de computadores no controle das
reações, os sistemas de pirólise poderão ter os custos reduzidos e a eficiência aumentada, e assim se tornarão viáveis técnica e economicamente. 
Sistema landgard-Monsanto Projetado e construído pelo Monsanto’s Envirochem Systems, Inc., com  capacidade nominal de 35 t/dia, esse protótipo serviu de elemento de estudos e pesquisas que possibilitou o  dsenvolvimento de instalações maiores como a planta de Baltimore, Maryland, com
capacidade para processar 1.000 t/dia [2].
O Sistema Landgar-Monsanto difere dos outros sistemas. Foi projetado com o objetivo exclusivo de solucionar problemas da destinação final do lixo urbano, oferecendo, todavia, disponibilidade para a reciclagem dos componentes combustíveis presentes no lixo. 
Como se observa, os resíduos, no início do processo, são dispostos na fossa de recepção que alimenta gradualmente duas linhas de trituradores. Após a trituração os resíduos são transportados para o silo de estocagem. A ensilagem dos resíduos permite a operação do sistema de forma contínua, sem risco de interrupções por falta de lixo, que podem ocorrer em função de falhas no sistema de coleta. A reação de pirólise se processa em um reator rotativo disposto em posição horizontal, revestido internamente com material refratário.
O processo é iniciado com a injeção de óleo combustível ou de gás no interior da câmara, em sentido contrário ao alinhamento dos resíduos, ou seja, em contra fluxo [3].
Após a reação os resíduos sólidos e escória são resfriados e segregados. O carbono (char), os metais e os vidros são separados por flotação, magnetismo e ciclonagem respectivamente [3].
Os gases do processo são desviados até um purificador, onde se misturam com ar atmosférico e acabam saindo queimados novamente. O purificador tem função de evitar o lançamento de substâncias prejudiciais ao meio ambiente [3].
Os gases quentes saem do purificador e passam através de uma caldeira aquatubular, onde o calor trocado produz vapor que pode ser usado para calefação ou resfriamento de ambientes, ou ainda para mover turbinas geradoras de potências [3].
Após a passagem pelas caldeiras os gases são resfriados e lavados em torres tipo Scrubbers, onde os particulados e cinzas são removidos. Antes do lançamento na atmosfera os gases sofrem ainda desumidificação, o que evita a formação de densas plumas que podem ser prejudiciais ao meio ambiente, por contribuir na formação de smog [2].
Toda água utilizada no processo é tratada no clarificador e recirculada. O bexcedente destina-se à limpeza das instalações e dos ambientes internos [2].


Reações:


Olá Pessoal pessoal se você gostou da postagem me mande um email para sugestão ou perguntas fmbacelar@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário

Segue alguns símbolos, caso necessitem utilizá-los:
____________________________________________


α β γ δ ∆ λ μ Ω ο ρ φ χ ψ ξ ε η θ π ∂ ∑ ∏ ℮ אօ ∞ ℝ ℕ ℚ ℤ Ø f◦g
½ ¼ ¾ ½ ⅓ ⅔ ⅛ ⅜ ⅝ ⅞ ² ³ ¹ º ª ₁ ₂ ₃ ₄ ≈ ≠ ≡ ∀ ∃ ⇒ ⇔ → ↔
∈∋∧ ∨ ⊂ ⊃ ∩ ∪ − + × ± ∓ ÷ √ ∛ ∜ ⊿∟ ∠→ ↑ ↓ ↕ ← ≤ ≥
outros
√ ∇ ∂ ∑ ∏ ∫ ≠ ≤ ≥ ∼ ≈ ≅ ≡ ∝ ⇒ ⇔ ∈ ∉ ⊂ ⊃ ⊆ ⊇ \ ∩ ∪ ∧ ∨ ∀ ∃ ℜ ℑ

Postagens Relacionadas