Just another free Blogger theme

Tecnologia do Blogger.

Feed

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner


Videos

Loading...

Seguidores

Blog Archive

Postagens populares

17 março 2014


DESCARTE DE PRODUTOS QUÍMICOS




“Se eu soubesse que o mundo terminaria amanhã,
 hoje ainda plantaria uma árvore”

Martín Luther King


Sumário

Introdução 3
Coleta de lixo de laboratório 4
Dicas de coleta e neutralização de ácidos e bases 6
Principais ácidos e suas aplicações 7
Bases 9
Descarte de ácidos e bases 10
Guia de descarte de alguns produtos químicos perigosos de laboratório 11
Dicas para reciclar baterias e pilhas 18
Conclusão 20
Bibliografia 21


1- INTRODUÇÃO
Discutir a questão de resíduos gerados em laboratórios é tratar de uma polêmica problemática de ampla abrangência em relação à saúde humana e ao meio ambiente.
Resíduos: Qualquer substância que resulta de uma atividade no laboratório.
Resíduos perigosos: materiais, substâncias ou misturas de substâncias com potencial de causar danos a organismos vivos, materiais, estruturas ou ao meio ambiente;
ou ainda, que podem tornar-se perigosos por interação com outros materiais.
Dano: explosão, fogo, corrosão, toxicidade a organismos ou outros efeitos deletérios.
Certos reagentes químicos são nocivos para a saúde das pessoas que os manipulam ou que inalam os seus vapores. Além dos venenos notórios, certo número de reagentes químicos é conhecido como tendo vários efeitos tóxicos. Devemos observá-los e não descartá-los diretamente na pia ou no lixo, pois causariam graves deteriorações ao nosso meio ambiente.

1. 1. Resíduos Químicos Líquidos Não Perigosos

Soluções aquosas de sais inorgânicos de metais alcalinos e alcalinos terrosos:
NaCl, KCl, CaCl2, MgCl2, Na2SO4, MgSO4 e tampões PO43, não contaminados com outros produtos, podem ser descartados diretamente na rede de esgoto, respeitando-se os limites estabelecidos nos decretos estaduais 8.468/1976 e 10.755/1997.

1.2. Resíduos Químicos Líquidos Perigosos

Materiais que não foram misturados com outras substâncias devem ser mantidos nas embalagens originais. Na impossibilidade da utilização da embalagem original e para acondicionar misturas, deverão ser usados galões e bombonas de plástico rígido fornecidos aos laboratórios, resistentes e estanques, com tampa rosqueada e vedante. 

• Encher o frasco somente até 90% da sua capacidade.
• Quando forem utilizadas bombonas ou galões de 20 litros ou mais, estes devem
ser preenchidos até 3/4 da capacidade total.

1.3 Soluções de ácidos ou bases inorgânicas

 H2SO4, HCl, H3PO4, HNO3, KOH, NaOH, Na2CO3, K2CO3, NaHCO3, KHCO3.

Devem ser diluídas e neutralizadas, podendo então ser desprezadas na rede de esgoto, desde que não contaminados com outros produtos, respeitando-se os limites estabelecidos nos decretos estaduais 8.468/1976 e 10.755/1997.


1.4. Soluções de sais de metais de transição

Prata, chumbo, mercúrio, cromo, ósmio, etc. Podem ser misturados em recipientes identificados, respeitando se as possíveis incompatibilidades. Cada recipiente deve ser corretamente identificado.
Os laboratórios capacitados podem precipitar e filtrar o material. A fase líquida deverá ter destinação adequada, conforme sua composição, e o precipitado deverão ser descartados como resíduo químico sólido.

Colocar em cada caixa apenas reagentes do mesmo grupo de risco, não aproveitar o espaço em uma caixa para colocação de substâncias de grupos diferentes. Para evitar atrito entre os frascos, colocar jornal ou papelão entre eles.

Todos os sacos/caixas que saem do laboratório devem ser identificados por meio do preenchimento dos campos impressos na etiqueta e afixados na própria embalagem.
Juntamente com o material, os laboratórios deverão encaminhar a “Ficha para inventário de resíduos” devidamente preenchido, não sendo permitida a inclusão ou exclusão de qualquer item, após o envio do formulário.


1.5. Doação de reagentes e solução

Nos meses que intercalam as chamadas para descarte, materiais vencidos ou sem uso, desde que não tenham sido manipulados, poderão ser colocados à disposição para doação.

2- Coleta de Lixo de Laboratório
O lixo de laboratório pode ser coletado para descarte em recipientes separados de acordo com o tipo de produto químico envolvido. Os recipientes podem, por exemplo, ser rotulados de acordo com a programação descrita abaixo e rotulados com as letras A – K. Ao fazer isso, precisa ser garantido que os produtos químicos coletados em qualquer uma das categorias não têm possibilidade de reagir uns com os outros. Pelo menos uma verificação deve ser feita para conteúdos ácidos e básicos. Quaisquer empresas de descarte requerem uma solução neutra para ser fornecida.
A Solventes orgânicos livres de halogênios e substâncias orgânicas em solução. 
B Solventes orgânicos contendo halogênio e substâncias orgânicas em solução. Não usar recipientes de alumínio.
C Resíduos sólidos de produtos químicos orgânicos do laboratório. 
D Sais em solução; os conteúdos de tais recipientes devem ser ajustados para pH 6 - 8. 
E Resíduos inorgânicos tóxicos e sais de metais pesados e soluções. 
F Compostos inflamáveis tóxicos.
G Mercúrio e resíduos de sais de mercúrio inorgânicos.
H Resíduos de sal metálico; cada metal deve ser coletado separadamente. 
I Sólidos inorgânicos.
K Coleta separada de materiais descartados de vidro, metal e plástico. 
Os recipientes de coleta devem ser claramente etiquetados com os conteúdos, e fornecidos com os símbolos de riscos e frases de segurança.Observar que a rotulagem dupla pode ser necessária, por exemplo, se líquidos inflamáveis são coletados em soluções aquosas, se soluções orgânicas reagem causticamente, se bases e ácidos são mantidos sob controle.
É recomendado que aquelas substâncias que causem risco à saúde, bem como substâncias irritantes e tóxicas, sejam coletadas juntas; entretanto, dois recipientes um para substâncias que causem risco à saúde e outro para substâncias venenosas.
Para possibilitar que o lixo do laboratório seja disposto adequadamente e para minimizar o efeito sobre as rotinas do laboratório, os recipientes de coleta para materiais descartados precisam ser:
Aptos para suportar os produtos químicos envolvidos 
Inquebráveis 
Resistentes de vazamentos e de líquidos e gases 
Na posse de um certificado das Nações Unidas para transporte se eles forem transportados em rodovias públicas. 
Além disso, os seguintes pontos devem ser levados em consideração:
Os recipientes devem ser alojados em um local bem ventilado 
Os recipientes devem ser mantidos fechados para prevenir a evaporação de vapores prejudiciais 
Seleção de recipientes de um tamanho que prevenirá que o descarte seja mantido por muito tempo no local de armazenamento. Isso também diminui o risco de derramamento. 
Para o recolhimento dos rejeitos químicos devem ser utilizados recipientes de vidro ou de plástico resistentes, que estejam em perfeitas condições principalmente com relação à vedação dos mesmos. Evitar frascos com vazamentos;
O recolhimento dos rejeitos químicos não deve ultrapassar 2/3 da capacidade do recipiente. Frascos extremamente cheios criam riscos quando transportados; 
Antes do recolhimento dos rejeitos químicos ativos, deve-se ter o devido cuidado no sentido da desativação destes. Lembrar que, frascos contendo rejeitos químicos ativos sem nenhuma indicação no rótulo, expõem os funcionários do Setor a sérios riscos; 
Para o recolhimento de rejeitos químicos deve-se dar preferência à utilização de frascos de um litro, na cor âmbar, e procurar evitar misturas muito complexas. 
Os rótulos deverão ser preenchidos com caneta esferográfica azul ou preta, nunca usar caneta hidrocor ou pincel atômico; 
Os rótulos deverão conter todas as informações sobre os componentes das misturas existentes no frasco, tanto os solutos como os solventes, inclusive indicações de possíveis riscos na operação de tratamento. A indicação apenas do solvente principal pode criar problemas no tratamento adequado; 
Os rótulos deverão conter de forma clara: O laboratório, o responsável pelo mesmo e a data do recolhimento. 
Os rótulos deverão ser fixados nos frascos com a aplicação de cola plástica, e nunca com uso de fita adesiva. A fita adesiva resseca com o tempo levando a perda do rótulo devido à estocagem; 
Nunca se devem misturar substâncias que possam reagir entre si. Exemplo, mistura de solventes orgânicos clorados com não clorados, mistura de solventes orgânicos com ácidos, mistura de material orgânico com inorgânico, etc. 


3- Dicas de Coleta e Neutralização de ácidos e bases

3.1. Ácidos
O sabor azedo é uma das características comuns aos ácidos, os quais, assim como todas as substâncias azedas, estimulam a salivação.
O uso do vinagre ou do suco de limão em saladas está associado a esse fato. O aumento da quantidade de saliva facilita a ingestão.

Volatilidade: Indica a maior ou menor facilidade com que os ácidos passam do estado líquido para o gasoso.

Voláteis: A grande maioria dos ácidos: HF, HCl, HCN, H2S, HNO3 etc.
O ácido acético, componente do vinagre, é o ácido volátil mais comum no nosso dia-a-dia ao abrirmos um frasco com vinagre, logo percebemos seu cheiro característico.

Fixos: os dois ácidos pouco voláteis mais comuns são o H2SO4 e o H3PO4.


3.2. Principais ácidos e suas aplicações

Ácido fluorídrico — HF


Nas condições ambientes, é um gás incolor que tem a característica de corroer o vidro, quando em solução aquosa. Por esse motivo, em laboratórios, deve ser guardado em frascos plásticos. É usado para fazer gravações em cristais e vidros.



Ácido clorídrico — HC



O ácido clorídrico consiste no gás cloreto de hidrogênio dissolvido em água. Quando impuro, é vendido no comércio com o nome de ácido muriático,sendo usado principalmente na limpeza de pisos e de superfícies metálicas antes do processo de soldagem.O estômago secreta o ácido clorídrico,num volume aproximado de 100 mL, para auxiliar a digestão dos alimentos.

Ácido Sulfidrico - H2S



É um gás venenoso, incolor, formado na putrefação de substâncias orgânicas naturais que contenham enxofre, sendo responsável em grande parte pelo cheiro de ovo podre.
Ao pressentirem o perigo, certos animais, como o gambá e a maritaca, liberam uma mistura de substâncias de odor desagradável, entre as quais o H2S.



Ácido Cianídrico – HCN



É o nome com que se indica uma solução aquosa do gás cianídrico, que é incolor, com cheiro característico de amêndoas amargas. Por ser muito venenoso, esse gás é utilizado nas execuções em câmara de gás. As folhas de mandioca, apesar de venenosas, podem ser utilizadas como alimento para o gado. Quando deixadas ao sol, liberam o gás cianídrico, tornando-se, assim, apropriadas para o consumo.



4. Bases

Uma das características das bases é seu sabor adstringente, que “amarra” a boca. Naturalmente, esse não é um bom método para identificar uma base, por ser extremamente perigoso.



Se entrarmos em uma caverna e sentirmos cheiro de amônia, podemos afirmar que tal caverna é habitada por morcegos. A amônia única base volátil, é liberada das excreções desses animais.

Base é toda substância que, em solução aquosa, sofre dissociação, liberando como único tipo de ânion o OH–.
As bases Be(OH)2 e Mg(OH)2, por apresentarem solubilidade muito pequena, são consideradas praticamente insolúveis.


4.1. Principais bases e suas aplicações.


Hidróxido de sódio — NaOH



O hidróxido de sódio é conhecido por soda cáustica, cujo termo cáustica significa que pode corroer ou, de qualquer modo, destruir os tecidos vivos.
É um sólido branco, cristalino e higroscópico, ou seja, tem a propriedade de absorver água. Por isso, quando exposto ao meio ambiente, ele se transforma, após certo tempo, em um líquido incolor. As substâncias que têm essa propriedade são denominadas deliqüescentes.
Quando preparamos soluções concentradas dessa base, elas devem ser conservadas em frascos plásticos, pois lentamente reagem com o vidro. Tais soluções também reagem com óleos e gorduras e, por isso, são muito utilizadas na fabricação de sabão e de produtos para desentupir pias e ralos.


4.2. Hidróxido de magnésio Mg(OH)2

O hidróxido de magnésio é um sólido branco, pouco solúvel em água. Quando disperso em água, a uma concentração de aproximadamente 7% em massa, o hidróxido de magnésio origina um líquido branco e espesso que contém partículas sólidas misturadas à água. A esse líquido damos o nome de suspensão, sendo conhecido também por leite de magnésia, cuja principal aplicação consiste no uso como antiácido e laxante.


4.3. Descarte de ácidos e bases

Neutralizar com NaOH  ou H2SO4 , respectivamente, utilizar papel indicador ou gotas de fenolftaleína, para garantir que o pH da solução resultante situe-se entre 6 e 8. Após a neutralização, descartar lentamente na pia sob água corrente. Para soluções extremamente ácidas, como mistura sulfonítrica, por exemplo, utilizar cal na neutralização.

Resíduos de ácidos devem ser descartados em frascos de vidro.

Resíduos de base devem ser descartados em frascos de polietileno (plástico).

Halóides ácidos orgânicos, anidridos e isocianatos podem ser adicionados por gotejamento a um excesso de metanol, para convertê-lo nos ésteres metil ou cabamatos metil correspondentes. Se necessário, neutralize com solução de hidróxido de sódio. 
Ácidos inorgânicos e anidridos deste devem primeiro ser diluídos ou hidrolisados pela mistura cuidadosa em água com gelo e então neutralizada (use a capela e luvas de proteção) com solução de hidróxido de sódio. Verifique o pH com tiras indicadoras universal de pH.
Ácido sulfúrico fumegante deve ser cuidadosamente misturado por gotejamento em 40 % de ácido sulfúrico. Garanta que gelo em abundância esteja disponível para resfriamento.Quando suficientemente frio, trate o ácido sulfúrico altamente concentrado. De forma análoga a este procedimento, outros anidridos podem ser convertidos em seus ácidos correspondentes.
Gases ácidos (por exemplo, halóide hidrogenado, clorina, fosgênio, dióxido sulfúrico) podem ser introduzidos em solução de hidróxido de sódio diluída e, após a neutralização.
Bases devem ser diluídas, se necessário, misturando cuidadosamente em água e então neutralizados (faça na capela com luvas protetoras) com ácido clorídrico. Verifique o pH com tiras indicadoras universal de pH.

5. Guia de descarte de alguns produtos químicos perigosos de laboratório

EVITAR SEMPRE MISTURAR UM RESÍDUO COM CONTAMINAÇÃO AO LIXO COMUM A FIM DE NÃO GERAR UMA QUANTIDADEMAIOR DE RESÍDUO CONTAMINADO.

5.1. Acetona
Composto orgânico sintético que também ocorre na natureza.É um liquido incolor de odor e sabor fáceis de distinguir.Evapora facilmente,é inflamável e solúvel em água.
A acetona é utilizada com solvente de esmaltes,tintas e vernizes e também como agente secante,devido a facilidade com que ela combina-se com a água, e então evapora.

Descarte de vazamento/derramamento 
Use luvas de borracha nitrílica, avental e aparelho de respiração autônoma. Cubra o líquido derramado com uma mistura 1:1:1 por peso de carbonato de sódio, areia de gato de argila (bentonita de cálcio) e areia. Quando todo o líquido tiver sido absorvido, transfira a mistura para dentro de uma balde plástica ou outro recipiente de boca larga e coloque na capela. Se o regulamento local permitir, deixe que os vapores de acetona evaporem durante vários dias até que não haja nenhum cheiro restante. A mistura derramada pode então ser descartada com o lixo normal. Senão embale e rotule para incineração.

5.2. Ácido fosfórico Corrosivo
O ácido fosfórico é o ácido de fósforo mais importante,dentre os ácidos minerais pode ser considerado o mais fraco.
Principais usos
Indústria de fertilizantes
Industria de produção de sal mineral para alimentação animal
Indústria de bebidas
Usina de chocolate
Indústria farmacêutica
Formulação de detergentes
Abrilhantador de alúminio
Decapante
Descarte 
Use protetor facial, óculos de proteção, avental, luvas de borracha nitrílica. Cubra o vazamento com carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1: 1. Deposite o material em um recipiente e transporte para a capela. Lentamente adicione em uma balde de água gelada. Teste o pH e neutralize se necessário com carbonato de sódio. Decante a solução no ralo. Trate os sólidos como resíduo comum. Lave todo o local do vazamento com água.
Use protetor facial, óculos de proteção, avental e luvas de borracha nitrílica. Na capela, lentamente adicione o ácido em uma balde de água fria. Com cuidado, neutralize a solução adicionando carbonato de sódio sólido enquanto estiver agitando. Escoe a solução no ralo.


5.3. Ácido sulfúrico
O ácido sulfúrico é um ácido mineral forte. É solúvel em água em qualquer concentração. O ácido sulfúrico tem várias aplicações industriais e é produzido em quantidade maior do que qualquer outra substância (só perde em quantidade para a água).
O principal uso engloba a fabricação de fertilizantes, o processamento de minérios, a síntese química, o processamento de efluentes líquidos e o refino de petróleo.
Uma característica peculiar ao ácido sulfúrico é quanto ao seu comportamento relacionado à concentração. Quando diluído (abaixo de concentrações molares de 90%), a solução assume caráter de ácido forte e não apresenta poder desidratante. Por outro lado, quando é concentrado (acima de 90%), deixa de ter caráter ácido e acentua-se o seu poder desidratante.

Descarte 
Use proteção ocular, avental, luvas de borracha de nitrilo. Cubra o vazamento com carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1: 1. Deposite em uma balde na capela. Lenta e cuidadosamente adicione esta mistura a uma grande quantidade de água em uma balde. Neutralize com carbonato de sódio, se preciso. Deixe em repouso até que os sólidos assentem. Decante o líquido no ralo. O resíduo sólido pode ser descartado como resíduo comum.

5.4. Ácido clorídrico
O ácido clorídrico (HCℓ) é uma solução aquosa, fortemente ácida e extremamente corrosiva, devendo ser manuseado apenas com as devidas precauções.
À temperatura ambiente é um gás incolor a ligeiramente amarelado, corrosivo, não inflamável, mais pesado que o ar e de odor fortemente irritante. Quando exposto ao ar,forma vapores corrosivos de coloração branca. 




Descarte de vazamento/derramamento
Instrua as pessoas para que se mantenham a uma distância segura. Use luvas de borracha nitrílica, avental, óculos de proteção e aparelho de respiração se necessário. Cubra o líquido derramado com uma mistura 1:1:1 por peso de carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia. Quando o ácido hidroclórico tiver sido absorvido, transfira a mistura para dentro de um recipiente e transporte para a capela. Bem lentamente adicione a mistura em uma balde de água fria. Neutralize se necessário com carbonato de cálcio. Decante a solução no ralo. Trate o resíduo sólido como lixo normal.

5.5. Ácido nítrico
O acido nítrico é considerado um ácido forte, sendo também bastante corrosivo puro é um líquido viscoso, incolor e inodoro. A temperatura ambiente libera fumaças (fumos) vermelhos ou amareladas. O ácido nítrico concentrado tinge a pele humana de amarelo ao contato, devido a uma reação com a cisteína presente na queratina da pele.

Descarte de líquidos
Use luvas de borracha nitrílica, avental, proteção ocular e protetora facial. Dependendo do tamanho do vazamento, pode ser necessária a utilização de aparelho de respiração autônomo. Cubra o vazamento com carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1: 1. Quando o ácido nítrico tiver sido absorvido, deposite a mistura em uma balde plástica e, na capela, lentamente, adicione à mistura em uma balde de água fria. Teste o pH da solução e neutralize, se necessário, com carbonato de sódio. Decante a solução para o ralo. Trate o resíduo sólido como resíduo comum.

5.6. Amônia (solução) 
Muito usado em ciclos de compressão ( refrigeração ) devido ao seu elevado calor de vaporização e temperatura crítica. Também é utilizado em processos de absorção em combinação com a água.A amônia e seus derivados ureia, nitrato de amônio e outros são usados na agricultura como fertilizantes. Também é componente de vários produtos de limpeza. O amoníaco é facilmente biodegradável. As plantas o absorvem com muita facilidade, sendo um nutriente muito importante como fornecedor de nitrogênio para a produção de compostos orgânicos azotados. Em concentrações muito altas, por exemplo, na água de consumo, pode causar danos graves, já que o amoníaco interfere no transporte do oxigênio pela hemoglobina, entre outros efeitos nefastos. Os organismos necessitam, nesse caso, de manter uma baixa concentração de amoníaco que, caso contrário torna-se particularmente tóxico.





Descarte de vazamento/derramamento 
Use um aparelho de respiração autônoma, avental e luvas de borracha nitrílica (e botas ou galochas se o vazamento/derramamento for grande). Cubra o líquido derramado com uma mistura 1:1: 1 por peso de carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia. Coloque a mistura dentro de um recipiente plástico e, na capela, adicione a uma balde de água fria. Neutralize a mistura com ácido hidroclórico a 5%, deixe repousar durante a noite, e então despeje o líquido no ralo. Descarte qualquer resíduo sólido com o lixo normal. Lave a área do vazamento/derramamento com água em abundância.


5.7. Cianeto de potássio
Cianeto de Potássio ou Cianureto de potássio é um composto químico altamente tóxico. Na verdade é o íon cianeto (CN) que causa a intoxicação, pois reage com a hemoglobina, impedindo o transporte de oxigênio aos tecidos, acarretanto morte rápida.


Descarte dos líquidos
Soluções de cianeto de potássio. Use aparelhos de respiração, proteção ocular, avental e luvas de borracha butílica. Instrua outras pessoas a manterem distância segura. Cubra o vazamento com carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1: 1. Deposite o material em um recipiente e transporte para a capela. Lentamente, e agitando, adicione a pasta em uma balde contendo alvejante (aproximadamente 70 ml/g de cianureto). Teste a solução para verificar a existência de cianureto usando o teste do azul da Prússia. Para 1 ml da solução, adicione 2 gotas da solução recém preparada de sulfato ferroso aquoso 5%. Ferva a mistura por pelo menos 60 segundos, resfrie a temperatura ambiente e adicione a solução de clorito férrico 1%. Adicione ácido clorídrico (preparado cuidadosamente adicionando o volume de ácido concentrado para igual volume de água fria) até que a mistura fique ácida no tornassol.
Se ainda houver cianeto na solução, um precipitado azul escuro vai se formar. (Concentrações de cianeto maiores de 1 ppm podem ser detectadas).
Se o teste for positivo, mais alvejante é adicionado à solução de cianeto e o teste repetido. Quando o teste for negativo, a solução é escoada no ralo com pelo menos 50 vezes do seu volume de água. Lave toda a área do vazamento com água. O descarte do resíduo sólido pode ser feito juntamente com o resíduo comum. 
Cianeto de potássio sólido. Use luvas de borracha nitrílica, avental e proteção ocular. Deposite o material em um recipiente e transporte para a capela. Adicione uma solução de hidróxido de sódio 1% (aproximadamente 50 ml/g de cianureto). Enquanto estiver agitando, adicione lentamente alvejante (aproximadamente 70 ml/g de cianeto). Siga o mesmo procedimento utilizado para as soluções de cianureto de potássio. Lave toda a área do vazamento com sabão e água.


5.8. Cianeto de sódio
O cianeto de sódio ou comumente chamado cianureto de sódio é o composto químico com fórmula NaCN. É o sal sódico do ácido cianídrico (HCN),trata-se de um composto sólido e incolor.
O cianeto de sódio é utilizado sobretudo em mineração para extrair o ouro e a prata de seus minérios, processo mais ecologicamente seguro que o por mercúrio

Descarte 

Caixas. Coloque num recipiente separado rotulado para descarte. Pequenas quantidades ou soluções. Use óculos de proteção, avental e luvas de borracha nitrílica. Na capela, adicione o cianeto de sódio a uma solução de hidróxido de sódio 1% (aproximadamente 50 ml/g de cianeto). O alvejante (cerca de 70 ml/g de cianido) é lentamente adicionado a solução de cianeto básica, com agitação. Quando a adição do alvejante estiver completa, a solução pode ser testada para verificar a existência de cianeto, fazendo-se o teste do azul da Prússia: para 1ml da solução a ser testada, adicione 2 gotas de uma solução de sulfato ferroso 5% recém preparada. Esta mistura é fervida por pelo menos 60 segundos, resfriada a temperatura ambiente, e então 2 gotas da solução de clorito férrico 1% são adicionadas. A mistura resultante é ácida ao tornassol com 6M de ácido clorídrico (preparado por ácido concentrado para um volume igual de água). Se o cianureto estiver presente, um precipitado azul escuro vai se formar. (Concentrações de cianeto maiores que 1 ppm podem ser detectadas). Se o teste for positivo, mais alvejante é adicionado à solução de cianido e o teste repetido até que não haja a formação do precipitado azul da Prússia. Escoe a solução num ralo.

5.9. Clorofórmio.
Um anestésico eficiente, o clorofórmio ou triclorometano, composto químico de fórmula (CHCl3) é um líquido incolor e volátil. Ele é um anestésico externo sendo muito tóxico se ingerido ou seus vapores aspirados. Sua ação anestésica ocorre devido ao fato deste ser muito volátil, desta forma ele absorve calor da pele, a qual tem temperatura diminuída, então os nervos sensitivos que mandam as informações ao cérebro ficam inativos e a sensação de dor é diminuída. Atualmente, sua principal aplicação é como solvente. Também é usado como matéria-prima para a produção de outros compostos.

Descarte de vazamento/derramamento 
Instrua as pessoas para que permaneçam a uma distância segura. Use aparelho de respiração autônoma, óculos de proteção, avental e luvas de PVA. Cubra o líquido derramado com uma mistura 1:1:1 por peso de carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia. Transfira para um recipiente apropriado e rotule para incineração em uma fornalha equipada com pós-combustor e purificador de gases furnace.


5.10. Hidróxido de potássio
Apresenta-se como um sólido branco, relativamente translúcido e em escamas finas praticamente incolor. Sua agregação está sempre em estado sólido. Se for ingerido, pode causar danos permanentes, inclusive a morte.Possui muitas aplicações industriais e especiais. A maioria das aplicações explora sua reatividade com ácidos e suas características corrosivas.

Descarte dos líquidos
Use proteção ocular, avental e luvas de borracha nitrílica. Remova o material com uma pá e coloque em uma balde. Adicione gradativamente e agitando uma grande quantidade de água gelada. Neutralize com ácido hidroclórico 5% e escoe pelo ralo. O local do vazamento deve ser lavado totalmente com água.

Descarte dos resíduos sólidos 

Use proteção ocular, avental e luvas de borracha nitrílica. Adicione lentamente com um agitador mecânico a um grande volume de água gelada. Neutralize com ácido hidroclórico 5% e escoe pelo dreno.

5.11. Hidróxido de sódio
O hidróxido de sódio (NaOH), também conhecido como soda cáustica, é um hidróxido cáustico usado na indústria (principalmente como uma base química) na fabricação de papel, tecidos, detergentes, alimentos e biodiesel. Apresenta ocasionalmente uso doméstico para a desobstrução de encanamentos e sumidouros, pois dissolve gorduras e sebos. É altamente corrosivo e pode produzir queimaduras, cicatrizes e cegueira devido à sua elevada reatividade.Reage de forma exotérmica com a água e é produzido por eletrólise de uma solução aquosa de cloreto de sódio (salmoura), sendo produzido juntamente com o cloro.

Descarte dos líquidos
Use proteção ocular, avental, e luvas de borracha nitrílica. Deposite em uma balde e adicione, gradativamente e agitando, uma grande quantidade de água gelada. Neutralize com ácido hidroclórico 5% e escoe pelo ralo. Lave totalmente o local com água.

5.12. Metanol (álcool metílico) 
Altamente inflamável. Alto risco de envenenamento por inalação ou ingestão.

Descarte de líquidos 

Desligue todas as possíveis fontes de ignição. Instrua outras pessoas a manterem uma distância segura. Se necessário, use aparelhos de respiração, proteção ocular, avental e luvas de borracha butílica. Cubra o vazamento com carbonato de sódio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1: 1. Deposite o material em um recipiente. Se a regulação local permitir, adicione o sólido em uma balde de água. Deixe em repouso até que os sólidos assentem, despeje o líquido no ralo e trate o sólido como resíduo normal. Do contrário, embale o sólido e rotule-o para incineração.


5.13. Mercúrio
Devido à alta toxicidade do vapor de mercúrio, é importante limpar o mercúrio da melhor forma possível, especialmente em áreas confinadas. Use luvas de borracha nitrílica, avental e óculos de proteção. Um aparelho de respiração autônoma será necessário para grandes vazamentos/derramamentos. Um aspirador pequeno com um tubo capilar conectado a uma bomba pode ser usado para sugar gotas de mercúrio. Para gotas pequenas em lugares de difícil acesso, trate com Merconvap ou use um kit desenvolvido para essa finalidade. Combine gotas de mercúrio coletadas em uma garrafa de polietileno de alta densidade, com paredes espessas e bem vedada e envie para o departamento central para reclamação ou retorne ao fabricante.


Descarte de resíduos sólidos 
CUIDADO: A toxicidade do mercúrio é tal que o elemento e seus componentes não devem contaminar o ar ou a água. Use luvas de borracha nitrílica, aparelho de respiração autônoma e avental. Colete todas as gotas e poças o mais rápido possível utilizando uma bomba de sucção e uma garrafa aspiradora com um longo tubo capilar. Cubra as gotas menores que estejam em lugares de difícil acesso com Merconvap ou use um kit desenvolvido para essa finalidade. Combine todo o mercúrio contaminado em uma garrafa bem vedada. Retorne ao fabricante para reciclagem.

5.14. Permanganato de potássio
Permanganato de potássio é um composto químico de função química sal, tanto como sólido como em solução aquosa apresenta uma coloração violeta bastante intensa que, na proporção de 1,5g por litro de água (em média), torna-se vermelho forte.
É utilizado como agente oxidante em muitas reações químicas em laboratório e na indústria. Também é utilizado como desinfetante em desodorantes. É usado para tratar algumas enfermidades parasitarias dos pés, no tratamento da água para torná-la potável e como antídodo em casos de envenenamento por fósforo.
O KMnO4 sólido é um forte agente oxidante e deve ser mantido longe de glicerina, etanol e outras substâncias orgânicas além do ácido sulfúrico, sob risco de reação explosiva. Soluções diluídas de permanganato de potássio em água são menos perigosas. A mistura do permanganato sólido com ácido clorídrico concentrado produz o perigoso gás cloro.

Descarte dos líquidos
Use óculos de proteção, avental, luvas de borracha nitrílica. Cubra o vazamento com carbonato de sódio ou carbonato de cálcio, areia de gato de argila (bentonita) e areia, na proporção de peso de 1:1:1. Adicione um béquer de água (aproximadamente 20 ml/g de permanganato). Na capela, adicione uma gota de ácido sulfúrico concentrado para cada 10 ml de solução. Lentamente, e com agitação, adicione bissulfato de sódio 10% até que a cor do permanganato fique mais clara e a cor inicial marrom do precipitado de dióxido de manganês dissolva (aproximadamente 13 ml de solução de bissulfato/10 ml da solução de permanganato). Neutralize com carbonato de sódio. Deixe em repouso até assentar. Decante o líquido no ralo com pelo menos 50 vezes seu volume de água. O resíduo sólido pode ser jogado fora como resíduo comum.
Coloque num recipiente de descarte com solvente não-halogenado para incineração, reciclagem ou incineração. A incineração será mais fácil pela mistura de um solvente mais inflamável.


6. Dicas para reciclar baterias e pilhas
As pilhas e baterias que continham em suas composições chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos, necessárias ao funcionamento de quaisquer tipos de aparelhos, veículos ou sistemas móveis ou fixos, bem como os produtos eletro-eletrônicos que as contenham integradas em sua estrutura de forma não substituível, após seu esgotamento energético, serão entregues pelos usuários aos estabelecimentos que as comercializam ou à rede de assistência técnica autorizada pelas respectivas indústrias para repasse aos fabricantes ou importadores, para que estes adotem, diretamente ou por meio de terceiros, os procedimentos de reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequada.
As baterias industriais constituídas de chumbo, cádmio e seus compostos, destinadas a telecomunicações, usinas elétricas, sistemas ininterruptos de fornecimento de energia, alarme, segurança, movimentação de cargas ou pessoas, partida de motores a diesel e uso geral industrial. Após seu esgotamento energético, deverá ser entregue pelo usuário ao fabricante ou ao importador ou ao distribuidor da bateria, observado o mesmo sistema químico, para os procedimentos referidos no caput deste artigo.
Os estabelecimentos que comercializam os produtos, bem como a rede de assistência técnica autorizada pelos fabricantes e importadores desses produtos, ficam obrigados a aceitar dos usuários a devolução das unidades usadas, cujas características sejam similares aquelas comercializadas, com vistas aos procedimentos referidos no art. 1o.

As pilhas e baterias recebidas na forma do artigo anterior serão acondicionadas adequadamente e armazenas de forma segregada, obedecidas às normas ambientais e de saúde públicas pertinentes, bem como as recomendações definidas pelos fabricantes .

Ficam proibidas as seguintes formas de destinação final de pilhas e baterias usadas de quaisquer tipos ou características.
1. Lançamento in natura a céu aberto, tanto em áreas urbanas como rurais;
2. Queimam a céu aberto ou em recipientes, instalações ou equipamentos não adequados, conforme legislação vigente;
3. Lançamento em corpos d'águas, praias, manguezais, terrenos baldios, poços ou cacimbas, cavidade subterrâneas, em redes de drenagem de águas pluviais, esgotos, eletricidade ou telefone, mesmo que abandonadas, ou em áreas sujeitas à inundação.

            
O ícone acima indica que a pilha ou bateria pode ser descartada no lixo doméstico.


6.1. Você pode jogar no lixo doméstico:
Pilhas e baterias de zinco manganês e alcalinas manganês.
Pilhas e baterias de níquel-hidreto metálico, lítio, íon lítio, zinco-ar, os tipos miniaturas e botões e as baterias recarregáveis de íon lítio usadas em filmadoras e telefones sem fio mais recentes.
                               
Conclusão

Em qualquer empresa e profissão passou a ser dever do trabalhador (cidadão) tomar os cuidados necessários com o destino do lixo ou dos resíduos produzidos.
Atualmente no mundo este assunto é prioridade, sendo que a conscientização deve acontecer desde a dona de casa, separando o lixo para a coleta seletiva e cuidando para não jogar óleo de cozinha diretamente na pia, ate as grandes e pequenas empresas.
Na química não é diferente e talvez seja o ramo mais perigoso, por se tratar de substâncias altamente perigosas e tóxicas para o ser humano e meio ambiente e necessitam de atenção, cuidado, conhecimento e principalmente a conscientização das pessoas envolvidas.


Bibliografia

Química Volume único 5ª edição reformulada — 2002
1ª tiragem — 2002
Apostila de química orgânica - USP
www.ebah.com.br
www.wikipedia.com.br
www.cetesb.com.br
www.ufscar.br

Reações:


Olá Pessoal pessoal se você gostou da postagem me mande um email para sugestão ou perguntas fmbacelar@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário

Segue alguns símbolos, caso necessitem utilizá-los:
____________________________________________


α β γ δ ∆ λ μ Ω ο ρ φ χ ψ ξ ε η θ π ∂ ∑ ∏ ℮ אօ ∞ ℝ ℕ ℚ ℤ Ø f◦g
½ ¼ ¾ ½ ⅓ ⅔ ⅛ ⅜ ⅝ ⅞ ² ³ ¹ º ª ₁ ₂ ₃ ₄ ≈ ≠ ≡ ∀ ∃ ⇒ ⇔ → ↔
∈∋∧ ∨ ⊂ ⊃ ∩ ∪ − + × ± ∓ ÷ √ ∛ ∜ ⊿∟ ∠→ ↑ ↓ ↕ ← ≤ ≥
outros
√ ∇ ∂ ∑ ∏ ∫ ≠ ≤ ≥ ∼ ≈ ≅ ≡ ∝ ⇒ ⇔ ∈ ∉ ⊂ ⊃ ⊆ ⊇ \ ∩ ∪ ∧ ∨ ∀ ∃ ℜ ℑ

Postagens Relacionadas