Just another free Blogger theme

Tecnologia do Blogger.

Feed

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner


Videos

Loading...

Seguidores

Blog Archive

Postagens populares

05 março 2013


INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO
AMBIENTAL
CONCEITOS E CORRENTES

Educação ato de educar; ensino; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício (Ruth Rocha, 1996)
• Meio ambiente conjunto de fatores bióticos (seresvivos) ou abióticos (físico-químicos) do habitat suscetíveis de terem efeitos diretos e indiretos sobre os seres vivos e, compreende-se, sobre o homem (Touffet,1982)
Meio ambiente o que circunda um indivíduo ou um grupo. A noção de meio ambiente engloba, ao mesmo tempo, o meio cósmico, geográfico, físico e social, com suas instituições, sua cultura, seus valores. Esse conjunto constitui um sistema de forças que exerce
sobre o indivíduo e nas quais ele rege de forma particular, segundo os seus interesses e suas capacidades (Silliamy, 1980)
Histórico da Educação Ambiental 
1968 - Reunião do Clube de Roma
Preocupações com perdas de qualidade ambiental devido
a atividade predatória desde a Revolução Industrial
“Os Limites do Crescimento”
1972 - I Conferência Mundial de Meio Ambiente Humano
Conferência de Estocolmo na Suécia, organizada pela ONU
Educação é apontada como estratégia para resoluções de problemas ambientais
1975 - I Seminário Internacional sobre Educação Ambiental
Belgrado, Iugoslávia
Divulga a necessidade de uma política de E. A.
Carta de Belgrado – propõe a E. A. como forma de educação formal e informal, num processo contínuo e permanente dirigido às crianças e aos jovens com caráter interdisciplinar. Ambiente a ser conservado: ecológico, político, econômico, tecnológico, social e estético
1977 - Conferência Intergovernamental sobre Educação Ambiental
Tbilisi, Geórgia – URSS
Declaração da Conferência: define que E.A tem função de criar consciência e compreensão dos problemas ambientais e estimular a formação dos comportamentos positivos
Não distingue público.
1987 - Conferência de Moscou
1992 - Conferência das Nações Unidas sobre Meio
Ambiente e Desenvolvimento- Rio 92
Documento de Tbilisi é revisado: recontextualização e ampliação dos princípios e recomendações
Na Agenda 21, cap. 36, reorientação do ensino para desenvolvimento sustentável, aumento da consciência pública e promoção de treinamento 
Fórum Internacional das Ong’s
Pactuam o “Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis”, afirmando a posição transformadora
Convoca a população para assumirem responsabilidade individual e coletiva
Correntes de Educação Ambiental
1970/ 1980
• Naturalista
• Conservacionista
• Resolutiva
• Sistêmica
• Científica
• Humanista
• Moral/Ética
Mais recentes
• Holística
• Biorregionalista
• Etnográfica
• Da Educomunicação
• Da Sustentabilidade
• Crítica Social*
• Práxica*
• Feminista*
------------------------------------------------------
• Naturalista
Sensibilização
Ver a natureza e aprender com ela
• Conservacionista
Natureza como recurso, mercadoria
Redução, Reutilização, Reciclagem
• Resolutiva
Resolução dos problemas ambientais
Imediatista e ativista
Problema, Pesquisa, Resolução
• Sistêmica
Educar é transmitir conhecimentos técnico-científico
“Conhecer para preservar”
• Científica
Própria dos ecólogos
Parece a Sistêmica e a Resolutiva
Educação Ambiental = aula de ciência
• Humanista
Contraposição a naturalista
M.A. aprece como meio de vida, com dimensões
históricas, políticas, econômicas e estéticas.
E.A. sob a ótica da geografia e das ciências humanas
• Moral/Ética
Moralismo ambiental
Disciplinatória e conservadora
“A partir dos valores se constrói o comportamento”
• Holística
Mais contemplativa, menos ação
Global aqui é holístico
• Biorregionalista
Parece a sistêmica (transmissão do conhecimento
técnico)
Região pelas características naturais mais que políticas
Valorização das comunidades e do desenvolvimento
biorregional
• Etnográfica
E. A. não deve impor uma visão de mundo, é preciso
levar em conta uma cultura de referência das
populações e das comunidades
Adaptação da pedagogia às diferentes realidades
culturais
• Da Educomunicação
Mais para as escolas
Socialização, personalização e ecologização
Ecoformação
• Da Sustentabilidade
Educação para a sustentabilidade
Parece a conservacionista, porém esta é menos
ingênua
Pedagogia Crítica
Equalização social; superação da marginalidade
(fenômeno acidental que deve ser corrigido); pedagogia
revolucionária;
É possível articular a educação com os interesses
dominados?
Educação como luta contra a seletividade, discriminação e
rebaixamento do ensino nas camadas populares
(Saviani, 1987)
• Práxica
“Aprendizagem na ação pela ação e para a melhora
desta”
Reflexão e ação
Participativa para envolver todos na transformação
Pesquisa - ação para a resolução dos problemas
comunitários.
Não se trata de saber tudo antes de passar pela
ação.Mas de aprender na e ir ajustando-a.
• Crítica Social
Um pouco Biorregional e um pouco Práxica
Postura crítica com componente político
As relações de poder são identificadas e denunciadas?
Quem decide o que? Por que?
Como a relação com o M. A. se submete ao jogo de
valores dominantes?
Qual a relação entre saber e poder?
Transformação da realidade
Libertação da alienação
Interdisciplinar para o desenvolvimento do saber - ação
• Crítica Social
Diálogo dos saberes (científico, cotidianos, tradicionais e de
experiências)
Processo educativo:
1º - Análise de textos relativos a um tema ambiental (
literatura, ciência, poesia, jornais, músicas)
Discutir a problemática
2º - Relacionar a problemática com a realidade local
3º - Pesquisar para entender o problema e o significado
dele para os envolvidos
Diálogo de saberes
Confrontar visões para uma perspectiva crítica
4º - Elaborar projetos a partir da perspectiva comunitária
• Feminista
Crítica, mas adota análise e denúncias das relações de
poder dentro dos grupos sociais (principalmente dos
homens sobre as mulheres)
Propõe que para restabelecer as relações H/N,
precisa-se restabelecer as relações entre os humanos
Opõe-se racional da Critica Social e valoriza mais o
intuitivo, afetivo, espiritual e artístico
“Cuidar do outro humano e o outro como humano, com
uma atenção afetuosa”
----------------------------------------------------------------------

• Então, o que é Educação
Ambiental????
• Educação Ambiental não é um processo individual, mas um processo onde o indivíduo vivencia a relação com o coletivo em um exercício de cidadania, na participação dos movimentos coletivos conjunto de transformação da realidade sócioambiental
• Também possibilita o processo pedagógico transitar das ciências naturais às humanas e sociais, da filosofia à religião, da arte ao saber popular, em busca da articulação de diferentes saberes
• Executa a emoção como forma de desconstrução de uma cultura individualista extremamente calcada na razão e a construção do sentimento de pertencimento ao coletivo, ao conjunto, ao todo representado pela comunidade e pela natureza
• Incentiva a coragem da renúncia ao que está estabelecido, ao que nos dá segurança , e a ousadia para inovar 
(Mauro Guimarães)
Referências bibliográficas
Os Caminhos da Educação Ambiental – Da Forma à
Ação - Mauro Guimarães
Educação Ambiental: Pesquisas e Desafios – Michèle
Sato e Isabel Cristina de Moura e Carvalho
Escola e Democracia – Dermeval Saviani
Reações:


Olá Pessoal pessoal se você gostou da postagem me mande um email para sugestão ou perguntas fmbacelar@gmail.com

0 comentários:

Postar um comentário

Segue alguns símbolos, caso necessitem utilizá-los:
____________________________________________


α β γ δ ∆ λ μ Ω ο ρ φ χ ψ ξ ε η θ π ∂ ∑ ∏ ℮ אօ ∞ ℝ ℕ ℚ ℤ Ø f◦g
½ ¼ ¾ ½ ⅓ ⅔ ⅛ ⅜ ⅝ ⅞ ² ³ ¹ º ª ₁ ₂ ₃ ₄ ≈ ≠ ≡ ∀ ∃ ⇒ ⇔ → ↔
∈∋∧ ∨ ⊂ ⊃ ∩ ∪ − + × ± ∓ ÷ √ ∛ ∜ ⊿∟ ∠→ ↑ ↓ ↕ ← ≤ ≥
outros
√ ∇ ∂ ∑ ∏ ∫ ≠ ≤ ≥ ∼ ≈ ≅ ≡ ∝ ⇒ ⇔ ∈ ∉ ⊂ ⊃ ⊆ ⊇ \ ∩ ∪ ∧ ∨ ∀ ∃ ℜ ℑ

Postagens Relacionadas